Responsabilidades judiciais de um salão de beleza

  • 6 de novembro de 2019
  • Blog

Assim como todo cidadão, os donos de um salão de beleza possuem responsabilidades judiciais e civis ao realizar seus serviços. Você pode entender como uma “ética de trabalho”, mas na verdade vai um pouco além disso. Caso não sejam cumpridos, os clientes têm o direito de reivindicá-los na justiça.

Por isso, é bom saber quais são essas responsabilidades judiciais, e como aplicá-las naturalmente no salão de beleza. Com a postura adequada, você não apenas evita dores de cabeça com possíveis clientes difíceis, como também está preparado para os aspectos judiciais do salão.

Quais são as responsabilidades judiciais do salão?

Basicamente, podemos definir essas responsabilidades entre objetivas e subjetivas. Em outras palavras, são obrigações mais diretas por parte do salão, e obrigações mais relacionadas aos profissionais, respectivamente.

Para entender melhor essa questão, temos alguns pontos que precisam ser melhor trabalhados. É importante que tais responsabilidades estejam bem definidas, para que os responsáveis pelo salão saibam como lidar com diversas situações.

As responsabilidades judiciais objetivas do salão

Responsabilidades objetivas estão relacionadas diretamente ao salão de beleza e seus serviços. Pelas regras atuais do Código de Defesa do Consumidor, além da Lei nº 8.078/90, o cliente pode atribuir o dano sofrido ao salão em casos de negligência, imperícia ou imprudência.

Na prática, casos em que o cliente sinta-se lesado pela postura do salão por algum dano sofrido de uma forma geral, ele pode processar com a responsabilidade judicial objetiva em mente.

As responsabilidades judiciais subjetivas

Está relacionada aos compromissos do profissional com relação ao cliente. Se este tenha sofrido algum tipo de prejuízo que esteja atrelado diretamente a quem lhe atendeu, é de responsabilidade do profissional arcar com eventuais ressarcimentos.

Entender a diferença entre ambos é muito importante nesse caso em específico, especialmente quando o assunto é aluguel de cadeiras. Aqui, é de responsabilidade dos profissionais saber que precisam tomar ainda mais cuidado e atenção para com os clientes.

Quando atribuir responsabilidades judiciais ao profissional ou o salão?

Embora tenhamos colocado de maneira subentendida que os tipos de responsabilidade acima são próprios para um ou para outro, na verdade podem haver situações mais complexas do que o imaginado, nas quais pode não ser clara quando o salão, o profissional, ou ambos, devem agir para melhor lidar com a situação.

De forma geral, é importante que os gestores, uma vez que sejam os responsáveis pelo local, conheçam essas responsabilidades com propriedade, para que possa encontrar a melhor resposta para a situação.

Por exemplo: casos que envolvam algum tipo de assédio dos profissionais com algum cliente, trata-se de uma responsabilidade de ambas as partes, do estabelecimento e do causador da injúria. Ter essas questões em mente vai evitar que situações frustrantes ocorram, e acabem por ferir a integridade do salão de beleza.

Ao estudar as responsabilidades judiciais de um salão de beleza, tenha em mente quais são suas obrigações como gestor, e quais são as de sua equipe. Entender as particularidades de cada situação, mais do que oferecer mais confiança a todos, aumenta a credibilidade do local. Então, bons estudos e até a próxima!

TAGS: empreender | ética de trabalho | negócios | responsabilidades judiciais | salões de beleza |

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *